Desigualdades estruturais ainda promovem o silencimento de negros mulheres e periféricos no Brasil